Sunday, January 20, 2008

"Expiação": a crítica


O romance de todos os romances, como já alguém o apelidou, não podia ter ganho mais vida do que nesta adaptação realizada por Joe Wright. "Expiação", o filme, conta a épica saga familiar escrita por Ian McEwan projectando num ecrã, quase por magia, tudo aquilo que imaginámos ao ler o livro.

Sejamos honestos: se há alguém que escreve bem é Ian McEwan. O homem compõe personagens invulgares com uma densidade psicológica igualmente invulgar. Detalhista, espraia-se nos costumes e na descrição dos espaços e dos tempos como ninguém. Deixa as suas histórias respirar, dá-lhes corda e alento, sabe do que escreve e mima os seus protagonistas. Surpreende sempre o leitor, mesmo quando todo o enredo parece uma banal história de amor ou obsessão. Parece possuído pelo espírito de escritores de finais do séc. XIX, início do séc. XX, conferindo-lhes um toque de modernidade que quase soa a anacrónico. Em suma, McEwan é um génio literário, mesmo que este elogio pareça um lugar comum.

Quando li a obra, senti que reunia todos os ingredientes para ser adaptado ao cinema. Possui amor, paixão, intriga e redenção. É um épico transversal a três gerações. Mas depois de algumas decepções com livros que guardo como referência (lembro-me de "As Horas", de Michael Cunningham), não criei grande expectativa quando soube que o filme estava para ser rodado. Agora que chegou aos ecrãs, é caso para dizer que o génio de McEwan foi abrilhantado pelo génio de Wright. O que o filme perde numa exaustão necessária de pormenores, é compensado com uma montagem de grande nível, com uma banda sonora extraordinária e com truques cinematográficos espirituosos. Wright, também muito graças à participação de McEwan como produtor executivo, consegue transmitir todo o ambiente e o longo calvário emocional das personagens de "Expiação", o livro.

Embora tecnicamente superior, com uma fotografia e cenografia difíceis de adjectivar, tal a sua qualidade, é o factor humano que constrói "Expiação". Mesmo actores que para mim não passam da mediania, como Keira Knightley, afirmam-se nesta história de amor e penitência. James McAvoy é um valor seguro e a jovem Saoirse Ronan (Briony ainda criança) uma interessante promessa. Com tanto talento junto, não há como enganar: estive em frente ao mais oscarizável (e Oscar-type) filme do ano. 5 estrelitas

Sabe tudo aqui

Google